Trabalhador recebeu indemnização de 172 mil euros por isto que muitas empresas...

Trabalhador recebeu indemnização de 172 mil euros por isto que muitas empresas portuguesas fazem!

COMPARTILHE
The best hosting you'll ever have

Todos nós sabemos que cada vez mais é difícil encontrar uma empresa que valorize os seus trabalhadores, e que os respeite como é devido.

Mas enquanto muitas pessoas comem e calam, este não foi o caso deste homem, que perante uma situação que considerava injusta, mexeu os cordelinhos e o tribunal deu-lhe razão! Vai receber 172 mil euros de indemnização por ter-se despedido com justa causa, e sim, isto foi em Portugal, onde muitas e muitas empresas têm práticas semelhantes como é do conhecimento geral.

empresas_portuguesas

O caso foi julgado pelo Tribunal da Relação de Guimarães que condenou a empresa onde este homem trabalhava, a indemnizá-lo em 172.000 euros, após este ter-se despedido por justa causa, alegando ter sido vítima de assédio moral por parte da gestão da empresa. O acórdão deu razão ao trabalhador, e calculou o valor da indemnização com base na antiguidade e por danos não patrimoniais, citando o Tribunal de Guimarães “existe justa causa subjetiva de resolução do contrato pelo trabalhador quando o empregador o assedia”.

O trabalhador, segundo o tribunal, foi vítima de “mobbing laboral”, quando a administração da empresa o mudou do seu local habitual de trabalho, o proibiu de se deslocar na empresa, lhe retirou o telemóvel da empresa sem motivo, e até o proibiu de falar com os colegas de trabalho! As “restrições” foram ainda mais longe, o homem tinha de entrar por uma porta “das traseiras”, e ficou sem acesso à internet no local de trabalho.

Tudo isto sucedeu após o trabalhador ter-se negado a aceitar uma redução do salário para cerca de um terço do seu vencimento, e ter-se recusado também a aceitar uma indemnização, bem abaixo do valor agora estipulado pelo tribunal.

A empresa que tinha a seu cargo cerca de 620 trabalhadores tentou – de forma pouco correcta – “forçar” os trabalhadores a despedirem-se como que por “desistência”, prática que hoje em dia é muito comum na nossa praça, e que é conhecida de todos nós. Todos temos este ou aquele amigo – quando não somos nós mesmos – que já foi vítima de práticas semelhantes. A diferença neste processo é que desta vez, o trabalhador não comeu e calou, mexeu-se!

Se estás em processo de litígio com a empresa onde trabalhas, se andam a pressionar-te ou a tentar “impingir-te” reduções de salário ou indemnizações daquelas que não lembram a ninguém, para ter forçarem a despedires-te, lembra-te que eles não têm a faca e o queijo na mão, as leis existem para nos proteger, e recorrer a um advogado ou ao tribunal de trabalho nem sempre significa gastar muito dinheiro, e como se pode ver, compensa quando temos razão!

Fonte: Jornal de Notícias

Comentários