Por dizer não ao banco, poupou 900 euros

Por dizer não ao banco, poupou 900 euros

COMPARTILHE
The best hosting you'll ever have

Quando fazemos um crédito pessoal, seja para um projeto, seja para obras ou para a compra de um carro, por exemplo, há bancos ou financeiras que “obrigam” o cliente a contratar um seguro de vida no valor do empréstimo.

Normalmente, para “facilitar”, propõem juntar o valor total do seguro ao empréstimo e depois fica a pagar tudo (o empréstimo e o seguro de vida) em “suaves” prestações. Ou seja, um empréstimo de 10 mil euros transforma-se num ápice num empréstimo de 11 mil euros, mais as aberturas de processo, taxas e o que mais aparecer. Feito o seguro de vida, nunca mais nos lembramos dele. Pensamos que é só a mensalidade.

Ponto prévio: o seguro de vida não é obrigatório. Mas se não o fizermos, provavelmente não nos dão o empréstimo.

Vamos ao caso prático. Um colega pediu um crédito pessoal de 10 mil euros para comprar um carro. No banco exigiram-lhe um seguro de vida de quase 900 euros e outro seguro mais pequeno.

Como ele viu as reportagens do “Contas-poupança” sobre o assunto, não foi logo na conversa. Achou caro, disse que ia ver na concorrência, que era um abuso 900 euros por um crédito de 10 mil (quase 10% do valor do empréstimo, etc). A gestora de conta foi falar com o gerente. Voltou uns minutos depois com outra proposta: OK, não fazia o seguro de vida, mas tinha de fazer um seguro automóvel no grupo do banco.

Como o banco tem duas seguradoras (uma delas telefónica), respondeu o meu colega: “Mas pode ser na mais barata?” Sim. Podia.

Portanto, não aceitando a primeira proposta do banco, negociando e fazendo valer os seus pontos de vista, o meu colega poupou quase 900 euros, porque teria de fazer um seguro para o carro de qualquer maneira. Se tivesse aceite a primeira proposta, achando que tinha de ser, ficaria a perder.

Claro que não há nada contra o seguro de vida associado a empréstimos. É, aliás, uma proteção, até do ponto de vista social, para proteger a família em caso de morte. Mas que isso seja por vontade do cliente, e não por obrigação.

Temos todos de aprender a negociar com os bancos e seguradoras. Diga não de vez em quando. Veja as propostas da concorrência. O dinheiro é seu.

Fonte: Expresso

Comentários