Estudante dinamarquesa matou mais de 100 terroristas do Daesh

Estudante dinamarquesa matou mais de 100 terroristas do Daesh

COMPARTILHE
The best hosting you'll ever have

Joanna Palani, de 22 anos, voltou à Europa e queixa-se que não foi bem recebida.

Faz furor noas redes sociais com a sua beleza e longos cabelos loiros mas, no campo de batalha é implacável. Joanna Palani, de 22 anos, combateu contra o Daesh na Síria e no Iraque, apoiando as forças curdas, e afirma já ter morto mais de 100 terroristas do grupo radical islâmico.

A jovem, de origem curda, nasceu num campo de refugiados, tendo-se mudado para Copenhaga com a família quando ainda era bebé. Aprendeu a disparar uma arma aos 9 anos e, pouco depois de ter ingressado na universidade, resolveu voltar para a Síria e seguir as pisadas so pai e do avô, que foram combatentes da Peshmerga. Na Síria e no Iraque, foi sniper e sozinha salvou uma grupo de mulheres e crianças usadas como escravas sexuais dos terroristas.

A jovem foi sniper mas, agora, foi obrigada a voltar à Dinamarca, uma vez que acredita que é procurada pelos terroristas do Daesh, que estarão a oferecer uma recompensa de quase um milhão pela cabeça de Joanna. De volta ao país onde cresceu, a jovem estudante queixa-se que tem sido “olhada de lado” pelos dinamarqueses. “Eu estava disposta a dar a minha vida e a minha liberdade para travar o Daesh, para que as pessoas do meu país e de toda a Europa pudessem estar seguras.

Agora sou vista como uma terrorista”, lamenta Joanna. “A Dinamarca é um dos melhores países do mundo para se viver. Mas eu passo fome, não consigo arranjar casa fixa e não confio em ninguém”, conclui Joanna, que ainda não sabe se volta para a guerra. Entrevistada antes de regressar à Dinamarca, Joanna afirmou que “os combatentes do Daesh são fáceis de matar” e que os soldados de Bashar al-Assad “são muito bem treinados e verdadeiras máquinas de matar”.

Comentários