Cartazes a criticar o Papa Francisco espalhados pelas ruas de Roma

Cartazes a criticar o Papa Francisco espalhados pelas ruas de Roma

COMPARTILHE
The best hosting you'll ever have

No passado sábado, dezenas de cartazes anónimos com críticas ao Papa Francisco estiveram espalhados por várias ruas de Roma. A origem dos mesmos está agora a ser investigada pelas autoridades italianas.

Os cartazes estiveram espalhados pela capital italiana e não estavam assinados nem tinham qualquer referência dos autores. Horas depois os cartazes foram tapados por outros em branco, com o logótipo institucional da Câmara de Roma, com o texto “publicidade ilegal”.

Os cartazes continham uma imagem do Papa com uma cara séria, acompanhada por um texto: “France, interditaste congregações, afastaste sacerdotes, decapitaste a Ordem de Malta e os franciscanos da Imaculada, ignoraste cardeais…mas onde está a tua misericórdia?”.

Antonio Spadaro, o diretor da ‘Civiltà Cattolica’, a revista da Companhia de Jesus, comentou no Twitter que os cartazes são “uma medalha” pelo empenho do Papa “contra os muros e o racismo”.

“Um sinal de que está a trabalhar bem e que está incomodando muito”, acrescenta Spadaro, consultor nos Conselhos Pontifícios de Cultura e Comunicação Social.

Os cartazes surgiram no mesmo dia em que Francisco reforçou a sua autoridade sobre a Ordem de Malta, quando nomeou um arcebispo do Vaticano, Angelo Becciu, para ser o seu representante especial junto da antiga ordem aristocrática.

Foi concebido a Becciu “todos os poderes necessários” para o estabelecimento das bases de uma nova constituição para a Ordem, conduzir a renovação espiritual dos seus cavaleiros e preparar a eleição de um novo grão-mestre. Esta intervenção do Papa levantou críticas dos conservadores analíticos.

A referência nos cartazes do Papa ter ignorado cardeais, está relacionado com o facto de quatro cardeais terem pedido publicamente que Francisco clarificasse se os católicos divorciados e que tinham voltado a casar civilmente podiam receber a comunhão. Contudo, o Papa Francisco não lhes respondeu diretamente.


Comentários